Crítica - Cavalo de Guerra

De Steven Splielberg


Texto: Rubens Lima Jr (do Jornal do Brasil)
Filme que tem combinação de Steven Splielberg, jovens e bichos é realmente imbatível no quesito emoção a flor da pele e muito choro. Cavalo de Guerra é baseado no Romance War Horse do britânico Michael Morpurgo publicado em 1982 e que se transformou num dos espetáculos mais aclamados do momento ganhando diversos prêmios, inclusive o Tony Awards como melhor peça do ano passado.
A história mostra a saga de um cavalo, desde seu nascimento em Devon, na Inglaterra, que é vendido para lutar na Primeira Guerra Mundial, em 1914, e enviado para França contra a vontade de seu dono, um jovem inglês que irá fazer de tudo para tentar recuperar seu animal. O roteiro de Richard Curtis e Lee Hall esvaziou um pouco o conteúdo psicológico dos personagens presentes no livro e principalmente na peça de teatro, optando mais pela ação direta e grandeza das imagens. Cheio de momentos impecáveis e emocionantes, nos oferece um pouco da dimensão de como os homens tem e sempre tiveram paixão pelos seus animais.


A história mostra a saga de um cavalo enviado para França contra a vontade de seu dono
Folhetinesco no melhor sentido da palavra, o filme nos envolve do início ao fim e, com quase 2 horas e quarenta, para quem não conhece o desfecho e até para quem conhece, da vontade de ir até o fim. De um elenco afiadíssimo, todos se destacam, mas o cavalo protagonista (Joey) rouba a cena do princípio ao fim com momentos lindamente captados, com utilização de diversos efeitos, que são absolutamente impactantes, como no momento em que o cavalo se enrosca no arame farpado.
Cavalo de Guerra deve ter várias indicações para o Oscar e o mais fácil de se prever vai ser o de  fotografia, que é simplesmente antologica do polonês Janusz Kaminski  que iniciou sua parceria com Spielberg em 1993 com a Lista de Schildler. O filme é também nostálgico ao mostrar a última guerra em que havia ainda uma certa dignidade e diplomacia entre os inimigos. Em 2012, o filme já sai como forte candidato ao Óscar desse ano e já está indicado ao Globo de Ouro. É com certeza um dos melhores filmes de Spielberg em anos e, é imperdível.