Crítica - Meia Noite em Paris

Woody Allen volta ao realismo fantástico para, de novo, desmistificar a arte
Texto: Marcelo Hessel (do blog Omelete)
Pseudointelectual é uma palavra muito mal utilizada hoje em dia - qualquer discussão sobre cultura termina nessa ofensa, como uma Lei de Godwin dos ignorantes orgulhosos - mas, quando a usa em Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris), Woody Allen o faz com propriedade.
Owen Wilson interpreta Gil, roteirista de Hollywood que está passando férias em Paris com a família da noiva, Inez (Rachel McAdams). Gil adora voltar à Cidade Luz. É lá que se reconecta com a "grande arte", longe do dia a dia de enlatados encomendados de Los Angeles. Seu sonho era viver nos anos 1920, quando F. Scott Fiztgerald, Ernest Hemingway e Pablo Picasso circulavam por ateliês e cafés da cidade. Certa noite, Gil misteriosamente realiza esse sonho.Allen adere ao realismo fantástico para discutir uma imagem de Paris que, amargamente, os americanos engoliram ao longo do século 20: é a cidade que prestigia os mestre, um lugar onde artistas sem crédito nos EUA podem se refugiar para ter seu valor reconhecido. Uma cidade-museu. Não deixa de ser irônico: o cineasta que não conseguia financiamento para rodar em Nova York e partiu para uma bem-sucedida turnê de filmes europeus, ao chegar em Paris, debate essa própria acolhida.A questão é que Allen (que já fez piada com ostracismo parisiense no final de Dirigindo no Escuro) não acredita na arte como museologia. Daí a provocação de Gil contra o erudito amigo (Michael Sheen) de Inez, que leva todo mundo pra conhecer as estátuas de Rodin, os jardins de Versalhes, e derrama seus conhecimentos. "É um pseudointelectual", diz Gil. O cara está tentando pegar a noiva dele, então dá pra entender a raiva. Em todo caso, Allen defende aqui que a arte não deve ser ostentada, mas experimentada.É uma noção presente em muitos filmes do diretor, essa valorização do "consumível" (ou cultura popular, se preferir, afinal Cole Porter também é pop) versus o intelectualismo de pedestal - cuja imagem fundamental talvez seja a presença de Marshall McLuhan na fila do cinema em Annie Hall. Em Tiros na Broadway, John Cusack aprende que até mesmo os gângsteres podem ser dramaturgos. Em Manhattan, assim como em Meia-Noite em Paris, Allen abre o filme com imagens da cidade em movimento, o cartão-postal em transformação. É o anti-museu.
O parentesco mais imediato de Meia-Noite em Paris, claro, mesmo por conta do realismo fantástico, é com A Rosa Púrpura do Cairo. Além da repetição dos "Gils" (Gil Shepherd no filme de 1985, Gil Pendler agora), há as referências a Buñuel: os personagens grã-finos de Rosa Púrpura congelam como a aristocracia de O Anjo Exterminador, e em Meia-Noite em Paris aprendemos - é uma das melhores piadas do filme - como o cineasta espanhol teve aquela ideia surreal.
Mais importante, tanto A Rosa Púrpura do Cairo quanto Meia-Noite em Paris defendem com humor e melancolia que não se deve abdicar da vida em nome da arte - afinal, a arte mais elevada é aquela que nos ajuda a entender a vida.